quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024

Benzina - 1996 - Edgard Scandurra

 
1 -  Tantas nuvens
Edgard Scandurra - C. Pessoa - Carlos Barnack
2 - Tudo que eu quero
Edgard Scandurra
3 - A chuva que cai
Edgard Scandurra - C. Pessoa
4 - Um olho na ponta de cada dedo
Edgard Scandurra - Arnaldo Antunes
5 - Vapores marroquinos
Edgard Scandurra - C. Pessoa,
6 -  Yara
Edgard Scandurra
7 - Beau Geste
 Edgard Scandurra
8 - Infelizmente sou feliz
Edgard Scandurra
9 - Gera
Arnaldo Antunes, Edgard Scandurra
10 - Film Noir
Edgard Scandurra - Subotic
11 - Eu faço parte da paisagem
Edgard Scandurra
12 -  Louco, doido varrido
Edgard Scandurra
13 - Jazzy James
Edgard Scandurra
14 - Lá longe
Edgard Scandurra - C. Pessoa
15 - Tantas nuvens
Edgard Scandurra - C. Pessoa - Carlos Barnack

Músicos
Edgard Scandurra - Jorge Peña - Cris - Clarissa - Marisol Jardim - Andrei Ivanovic - Mitar Subotc - Denis Feres

***************************

Edgard Scandurra nasceu em São Paulo, no ano de 1962. Canhoto, iniciou a carreira musical em 1977, com a banda Subúrbio. Guitarrista destacado na cena roqueira paulista, a princípio, o sucesso nacional vem mesmo é com o Ira!, que integra desde 1981. Esse é o segundo disco da carreira solo. Aqui encontramos rock, baladas, experimentações com o drum & bass e a poesia concreta de Arnaldo Antunes.

O Homem Traça diz, ROAM!

Um olho na ponta de cada dedo

domingo, 18 de fevereiro de 2024

O Rei da Cultura - 2007 - Péricles Cavalcanti

 

1 - O galope do guitarrista apaixonado
Péricles Cavalcanti
2 - Sou sua
Péricles Cavalcanti
3 - Eva e eu
Péricles Cavalcanti - Arnaldo Antunes
4 - Manga
Péricles Cavalcanti
5 - Mae West (levadas da breca)
Péricles Cavalcanti
6 - Elinha
Péricles Cavalcanti
7 - Petite valse
Péricles Cavalcanti
8 - Conhecimento
Péricles Cavalcanti
9 - Trilha sonora
Péricles Cavalcanti - Lincoln Antônio
10 - Monkmania (we all play folk)
Péricles Cavalcanti
11 - Perguntaram a Stravinsky
Péricles Cavalcanti
12 - O rei da cultura
Péricles Cavalcanti
13 - Posseidon
Péricles Cavalcanti - Leo Cavalcanti
14 - Porto alegre (nos bracos de calipso)
Péricles Cavalcanti
15 - Minha confissão
Péricles Cavalcanti
16 - Quem parte quem fica
Péricles Cavalcanti
17 - Samba do eterno retorno
Péricles Cavalcanti
 
Músicos
Pedro Sá - Péricles Cavalcanti - Guilherme Kastrup - Leo Cavalcanti - Biroska - Lincoln Antônio - Atílio Marsiglia - Luca Raele - Luca Raele - Mathias Capovilla - Aisha Lourenço - Cláudio Faria - Stephane San Juan - Domênico Lancellotti - Dany Roland - Swami Júnior - Zélia Vitória - Edgard Scandurra - Flávio Pereira "BBDeZ" - Christianne Neves

*********************************
 
Aqui Péricles Cavalcanti dá sequência às suas peripécias poético-filosócas visitando personagens mitológicas que provocam reflexões sobre as relações humanas e o fazer artístico. Transita sobre uma MPB que soa pop e ao mesmo tempo experimental, explora gêneros musicais diversos como o samba, o blues, o frevo, o bolero, o baião, a balada, o rock, o jazz e o DUB. Esse álbum inaugura um processo de criação e execução no estilo "feito em casa", em que as gravações realizadas em seu apartamento, com Péricles na guitarra, no baixo, na gaita e programações, adiciona o aporte de amigos como Edgar Scandurra e  Guilherme Kastrup, destaques entre tantos listados na ficha técnica.
 
O Homem Traça diz: ROAM!
 

Samba do eterno retorno

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2024

A Troça Harmônica - 2015

Postagem original: 02/08/2015
 


01 Pianinho 
Lucas Dourado - Chico Limeira - Gustavo Limeira
02 Maria vem 
Regina Limeira
03 Vertigem da Inocência 
Chico César
04 Barbante prateado 
Lucas Dourado
05 Rapaz solucionado 
Chico Limeira
06 Dúvida 
Regina Limeira - Lucas Dourado - Chico Limeira - Gustavo Limeira
07 Mel de sal 
Lucas Dourado - Polly Barros
08 Não deixe o passo se quebrar 
Regina Limeira
09 Maturar 
Regina Limeira
10 A pele 
Chico Limeira - Gustavo Limeira
11 Solução 
Chico Limeira - Gustavo Limeira - Lucas Dourado - Regina Limeira
12 Intimidade 
Chico Limeira

FICHA TÉCNICA
Arranjos: Chico Limeira, Lucas Dourado, Regina Limeira, Gustavo Limeira
Gravação e mixagem: Pepeu Guzman 
Assistente de gravação: Marcelo Piras
Masterização: Arthur Joly 
Projeto gráfico: Silvio Sá
Produção: Drica Soares
Produção executiva: Pedro Santos

Gravado e mixado no estúdio Mardito Discos, em João Pessoa (PB).
Masterizado no estúdio Reco-Head, em São Paulo (SP).


************************

Há algum tempo temos recebido algumas dicas de artistas com seus trabalhos novos. Os estilos variam bastante, uns agradam mais, outros nem tanto, mas até aqui reservamos essas humildes prateleiras às velharias apreciadas por esse Traça que vos escreve. O comum é que todos que nos dão a oportunidade com seus envios são ouvidos atentamente, no entanto, essas prateleiras se preenchem lentamente. A Troça soou parente de Traça, a audição determinou um encaixe perfeito, coube direitinho e aqui está no Criatura de Sebo para quem mais quiser ter o prazer da descoberta sonora. Segue abaixo a apresentação precisa desse trabalho feita por André Luiz Maia.

Os ecos silenciosos da alma d’A Troça Harmônica

Se “no princípio era o verbo”, com A Troça Harmônica era a ausência de som. “Partimos da perspectiva do silêncio”, diziam, há dois anos, Chico Limeira, Gustavo Limeira, Regina Limeira e Lucas Dourado, para explicar as músicas com roupagem minimalista e a busca pela valorização da canção, o casamento entre a poesia e o som que traz a primeira como carro-chefe. Agora, em seu primeiro álbum homônimo, seguem com os mesmos princípios e apresentam um trabalho amadurecido.

Embora não seja algo exatamente incomum, o quarteto trilhou o caminho inverso para chegar até aqui. A Troça Harmônica nasceu da confluência de inquietações dos integrantes, que antes da união já desenvolviam trabalhos individualmente. Chico e Regina, irmãos, conclamam seu primo Gustavo e o amigo da família Lucas para “criarem um som”.

Os quatro jovens bebem de fontes sonoras diversas. Do cenário nacional, os mais óbvios são Chico Buarque e o movimento mineiro do Clube da Esquina. Da Paraíba, toda uma geração de artistas da década de 1980, como Pedro Osmar, Adeildo Vieira, Milton Dornellas, Chico César e os movimentos locais, como Jaguaribe Carne, Assaltarte e Musiclube da Paraíba.

No dia 4 de abril de 2013, em João Pessoa, dão a cara a tapa e trazem um show de músicas autorais. Aos poucos, conquistam um público cativo, que testemunha o processo evolutivo das canções e dos artistas. Mas, para quem não tinha a oportunidade de ir aos shows e começava a conhecer o trabalho d’A Troça, os pedidos por um disco cresciam.

Para esta tarefa, recorreram ao silêncio mais uma vez. Em uma temporada de algumas semanas em uma casa de veraneio, isolados dos ruídos urbanos e imersos na natureza, começaram a criar a base do que viriam ser as doze canções de A Troça Harmônica.

As testadas e aprovadas pelo público “A pele” (Chico Limeira/Gustavo Limeira), “Barbante prateado” (Lucas Dourado), “Não deixe o passo se quebrar” (Regina Limeira), “Rapaz solucionado” (Chico Limeira), o interlúdio “Maturar” (Regina Limeira) e as composições a oito mãos “Dúvida” e “Solução” ganham versões definitivas, em um registro que emula a sensação da apresentação ao vivo, sobretudo na harmonia entre eles.

“Pianinho” (Lucas Dourado/Chico Limeira/Gustavo Limeira) e “Maria vem” (Regina Limeira) foram as escolhidas como os singles de apresentação do álbum, disponibilizadas pelo YouTube ainda em março. Neste meio tempo, foram reveladas nas apresentações ao vivo “Mel de sal” (Lucas Dourado, em parceria com sua esposa, Polly Barros) e “Vertigem da inocência” (Chico César).

Sobre esta última, o presente veio de um momento despretensioso. Chico, o Limeira, pediu ao César permissão para gravarem uma de suas canções, que imediatamente liberou todo o seu catálogo. “Quando me disseram que queriam gravar algo inédito meu, lembrei imediatamente de ‘Vertigem da inocência’, por acreditar que encaixaria com esse momento de início de uma carreira”, declarou Chico César. A única completamente inédita é a faixa 12, “Intimidade” (Chico Limeira), última a ser composta.

Para embalar o pacote de canções, a arte da capa, assinada por Silvio Sá, revela o ambiente afetivo que deu forma às inquietudes de corações juvenis: a aura serena de um “quintal de vó”, no caso, da escritora Dôra Limeira, uma das inspirações artísticas da família.

Depois de cruzarem os muros dos quintais e chegarem até às ruas e casas de shows pessoenses, com o lançamento online de A Troça Harmônica, o grupo fecha um ciclo, entregando suas crias ao mundo, inserindo-se na aldeia global profetizada pela comunicação, mas sem perder o cheirinho da terra molhada do quintal da infância.


O Homem Traça diz: ROAM!

Pianinho

terça-feira, 13 de fevereiro de 2024

Grupo Paranga - 1982 - Chora Viola, Canta Coração

postagem original: 29/01/08



01 - Arauto
Galvão Frade e Pio Filho
02 - Canoa
Dito Geraldo
03 - Dona do salão
Elpídio dos Santos e Conde
04 - Festas, fogos, para raios
Galvão Frade e Marco Rio Branco
05 - Quem dera!
Galvão Frade
06 - a) Fulia
Mestre Luiz de Catuçaba
b) Cai sereno (na rama da mandioquinha)
Elpídio dos Santos e Conde
07 - Você vai gostar
Elpídio dos Santos
08 - Nhôlambis (instrumental)
Galvão Frade - Osnir Perdigão
09 - Saudade danada
Elpídio dos Santos - Osnir Perdigão
10 - Desde aquele carnaval
Dito do Bem - Galvão Frade
11 - Bobão
Benedito de Paula
12 - Uma das bandas da bunda
Marco Rio Branco
13 - Arauto II
Galvão Frade - Pio Filho

Grupo Paranga
Pio, Parê, Negão, Renata, Galvão, Nena, e Nhô

Participação especial
Pauleca, Quadô, Quica, Gordo, Irmãos Zamith, Marquinho, Thar e Tota

************************************

Em meados da década de 70, Negão, Pio, Parê e Nena – filhos do compositor Elpídio dos Santos, compositor preferido de Mazzaropi – e mais alguns jovens de São Luís de Paraitinga resolveram criar um grupo para canalizar a intensa produção musical da região. Influenciados também pela atmosfera libertária da contracultura, misturaram as folias populares ao rock'n roll e formaram o Grupo Paranga.

No começo da década de 80 – paralelamente à cena pop-rock, em que bandas como Titãs, Ultraje a Rigor e Ira! comandavam a festa –, vinha à tona o que veio a se chamar de Vanguarda Paulistana: movimento de cunho experimentalista, que trabalhava letras de humor refinado, ao mesmo tempo que fundia as raízes musicais brasileiras ao rock e à música erudita contemporânea. Foi no principal reduto desse movimento, o Teatro Lira Paulistana, que o mosaico musical do Paranga ganhou maior acolhida de público, os luizenses marcando época ao lado de artistas como Arrigo Barnabé, Itamar Assunção e grupos como Premeditando o Breque, Rumo e Língua de Trapo.

Em 1982 é lançado o LP "Chora viola, canta coração", o qual teve boa aceitação de público e crítica, impulsionando a carreira do grupo que tão bem nos apresentou essa salada caipira. Nota-se no disco a presença de "marchas" com sotaque diferente, traço marcante do carnaval de São Luís que atrai milhares de turistas para brincarem em suas ruas a cada novo fevereiro.

O Homem Traça diz: ROAM!

Uma das bandas da bunda

sábado, 10 de fevereiro de 2024

Carnaval - 2008 - Palavra Cantada

 

1 -  Hoje é dia de carnaval
Paulo Tatit - Zé Tatit
2 - Pepe, meu cão
Sandra Peres - Luiz Tatit
3 - Só quero a mamãe e o papai
Paulo Tatit - Zé Tatit
4 - Bichinhos
Sandra Peres - Luiz Tatit
5 - Pirata e Princesa
Paulo Padilha
6 - Meus dedinhos
Paulo Tatit - Luiz Tatit
7 - Carnaval na língua do pê
Sandra Peres - Zé Tatit
8 - Larga do meu pé
Paulo Tatit - Zé Tatit
9 - Carnaval das minhocas
Sandra Peres - Zé Tatit
10 - Carnaval do Geraldo
Luiz Tatit
11 - A nossa escola
Sandra Peres - Luiz Tatit
12 - Carnaval sem palavras
Sandra Peres - Paulo Tatit
13 - Duelo de mágicos
Paulo Tatit - Zé Tatit
 
Participação Especial
 
Músicos 
Sandra Peres - Paulo Tatit - Webster Santos - Ari Colares - Estêvão Marques - Julia Pither - Daniel Ayres - Nichollas Torres - Taís Ares - Nadine Giménez - Luíza Albuquerque - Bel Colares - João de Lúcio - João Milliet - Alexandre Daloia Paulo de Viveiro - Tiago Sormani - Denilson Martins - Rubens Manos - Teco Cardoso - Adriano Busko - Gabriel Levy - Léo Caribé - Ricardo Valverde - Samba Sam - Milton de Mori - Gustavo Kurlat - Abigail tatit - Akira Ueno - Sizão Machado - Ricardo Moska - Camila Moyses Ast - Bel Colares - João Colares - Brás Antunes - Caymmi Bonnemaisom - Pedro Xavier - Josefina Schiller - Jonas Tatit - Rubinho Lima - Carolina Colares - Sacha Amback - Passarinho

***************************

Esse é o 12º álbum gravado pelo Palavra Cantada, trabalho dirigido às crianças e aos adultos interessados nos processos de desenvolvimento infantil. Coisa séria e divertida, Carnaval trata de diversas situações cotidianas e familiares, fomentando a fantasia e o jogo de faz de conta, características desse período da cultura popular brasileira. O repertório apresenta desde marchas ao samba chula para alegrar a brincadeira.

O Homem Traça diz: ROAM!

Duelo de mágicos