quarta-feira, 12 de maio de 2010

Sui Generis - Vida - 1972
Postado  originalmente em 22/01/08

1 - Canción para mi muerte
2 - Necesito
3 - Dime quién me lo robó
4 - Estación
5 - Toma dos blues
6 - Natalio Ruiz, el hombrecito del sombrero gris
7 - Mariel y el Capitán
8 - Amigo vuelve a casa pronto
9 - Quizás porque
10 - Cuando comenzamos a nacer
11 - Posludio

****************************

Tô de volta, positivo e operante, roendo tudo que me chega das prateleiras alheias!
E pra inalgurar o ano, ofereço às visitas algumas pérolas recolhidas nas férias em terras distantes, pero no mucho.

A história dessa banda, que passou à história da música jovem da argentina dos anos 70, entre outras coisas, por sua imensa popularidade, começou em 1969. Originalmente era formada por: Charlie GARCÍA (teclados e voz), Nito MESTRE (guitarra, flauta traversa e voz), Rolando FORTICH (baixo), Juan BELIA (guitarra), Alberto RODRÍGUEZ (bateria) e Carlos PIÉGARI (voz).

Charlie e Nito se conheceram no terceiro ano do colégio. Ambos participavam de grupos de rock de bairros. Charlie, junto a Rodríguez e Correa, no "To walk spanish". Nito cantava no "The century indignation". Como quinteto, sem a participação de Piégari, debutaram no Colégio Santa Rosa de Buenos Aires. Depois dessa apresentação o grupo sofreu muitas modificações, até se reduzir a um duo acústico. Em 1970, apresentaram-se no circuito de pequenas salas, como a Galeria Nexo.

Nesse mesmo ano realizaram uma apresentação na TV, apadrinhados por Eduardo Falú. Em pouco tempo, viajaram a Mar del Plata onde dividiram o palco com Litto Nebbia. A partir de maio de 71 participaram de uma série de apresentações na Sala ABC, considerados hoje como o ponto de partida de sua carreira de sucesso.


Mas foram recusados por vários gravadoras, sua representante Pierre Bayona tomou contato com Jorge Álvarez, produtor do selo Microfón. Deram uma prova para a gravadora interpretando quatro temas. Como resultado, firmaram um contrato que permitiu-lhes gravar seu primeiro álbum. O disco se chamou Vida, gravado em 1972. O tema "Amigo, vuelve a casa pronto" foi o primeiro gravado pelo grupo; participaram da gravação, como convidados, o violinista Jorge Pinchevsky, o baixsta Alejandro Medina e o guitarrista Claudio Gabis.

O álbum "Vida" é marcado pela influência do folk norteamericano (em moda na época), a temática das letras das canções do grupo têm muita influência de Bob Dylan, Crosby-Stills-Nash- Young e transcenderam as fronteiras dos roqueiros, para se instalar como representantes de um grupo mais amplo da juventude.

Qualquer semelhança com Sá, Rodrix&Guarabyra ou com Almôndegas não é mera coincidência, foram tendências da época.

O Homem Traça diz: ROAM!



Dime quién me lo robó (Diz-me quem me roubou)

Um comentário:

Renato disse...

Olá Homem Traça,
o Bandongo está dizendo: "Este ficheiro foi apagado, por que permaneceu inactivado por mais de 30 dias" . Dá pra postar de novo?

Obrigado,