quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

D'Alma - 1983




1- ETS 
Mozart de Mello
2 - Mel 
Ulisses Rocha
3 - Sonho de voar
André Geraissati
4 - Quase branco 
Ulisses Rocha
5 - Roda gigante 
Ulisses Rocha
6 - Baião de três 
André Geraissati
7 - Um abraço no D.R.
André Geraissati
8 - Correndo na veia 
Mozart Mello



Músicos
Mozart Mello - Ulisses Rocha - André Geraissati

*******************

O Homem Traça diz: ROAM!

   

ETS

D'Alma - 1981




1 - Beije-me, Garota
Rui Saleme
2 - Maria Thereza 
Ulisses Rocha
3 - Prá Juca 
André Geraissati
4 - Surpresa 
Rui Saleme
5 - Um Dia de Chuva 
Ulisses Rocha
6 - Lagoa Silenciosa 
André Geraissati
7 - Nova 
Rui Saleme
8 - Céu Aberto 
André Geraissati
9 - Tudo Certo 
Ulisses Rocha
10 - Super Relax 
Rui Saleme
11 - Boa Noite 
André Geraissati
12 - Karate 
Egberto Gismonti

Músicos
André Geraissati -  Rui Saleme - Ulisses Rocha

***********************

O Homem Traça diz: ROAM!

 

Um dia de chuva

A quem interessar possa - 1979 - D'alma

Postagem original - 17/03/2008


01 - Song for my friends
Cândido Penteado Serra
02 - Blues para Charles Mingus
Cândido Penteado Serra
03 - Correnteza
Ruy Saleme
04 - Dèja Vu
André Geraissati
05 - K-Samba
Cândido Penteado Serra
06 - Energia
Cândido Penteado Serra
07 - Ferrovia norte
Cândido Penteado Serra
08 - Magia
Cândido Penteado Serra
09 - Procion
Cândido Penteado Serra
10 - Guarapiranga
André Geraissati
11 - Sylvannah
Ruy Saleme
12 - Barra do Una
Cândido Penteado Serra
13 - Pulsação
Ruy Saleme
14 - A quem interessar possa


Músicos
André Geraissati - Cândido Penteado Serra - Ruy Saleme

*************************

Um dia eu quis ser violeiro. Ficava horas tentando ultrapassar meus limites de autodidata. O tempo passou e esqueci quase tudo. Ficaram apenas as lembranças das rodas de vilão na fogueira, as poucas aulas de violão que se transformavam em papos amistosos sobre música com o paciente professor Schuman e a admiração pela música de gente como esta que compôs o D'Alma.

O Grupo D'Alma foi um trio de violonistas formado no final da década de 70 por instrumentistas de formação erudita e influência jazzística (André Geraissaiti, Ulisses Rocha, Rui Salene, Mozart Melo e Cândido Penteado integraram o grupo em momentos diferentes), ganhou a admiração da crítica especializada pelo apuro técnico e interpretativo. O primeiro disco "A quem interessar possa", lançado em 1979, impulsionou a carreira do grupo, que em seguida gravou outros discos e participou de festivais como o Festival Internacional de Jazz de São Paulo (1982) e o Free Jazz Festival (1986).

O Homem Traça diz: ROAM!

 

Guarapiranga

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Terra da Luz - Ednardo - 1982
Postagem original: 26/05/2008




01 - Pastoril
Ednardo

02 -
Labirinto
03 -
Blues à flor da pele
Ednardo

04 -
Baião de dois
Ednardo

05 -
Ser e estar
Ednardo

06 -
Como era gostoso o meu inglês
Ednardo

07 - Alfa beta ação
Ednardo

08 -
Asa do invento
Ednardo

09 -
Corações e mentes
Ednardo

10 -
Transparecer
Ednardo
Músicos
Ednardo - Lincoln Olivetti - Serginho Trombone - Robson Jorge - Rick - Robertinho de Recife - Manassés - Carlinhos Patriolino - Zé Américo - Niltinho - Cláudio Roditi - Ricardo Pontes - Oberdan - Aurino - Serginho Trombone - Ife - Paulo César - Robertinho Silva - Paulo Braga - Rui Motta - Repolho - Jaburú - Ronaldo - Regina - Evinha - Fabíola - Mário - Roberto

Participações Especiais nos Vocais
Golden Boys - Trio Esperança

Nascido em Fortaleza, estudou piano e violão na juventude. No começo dos anos 70, junto com os conterrâneos Rodger e Teti, gravou um disco com o nome de "Pessoal do Ceará". Ao lado de Fagner e Belchior fez parte da geração que tornou pop a herança de fundadores da música nordestina como Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro.


Consagrado em todo o Brasil, suas músicas tocam espontaneamente em vários países: Portugal, Espanha, França, Japão, Israel, Alemanha, Itália, Holanda, Argentina, Uruguai, Cuba, México, comunidades Latino-Americanas de Miami, Orlando, New Jersey, New York.


Trabalhou também com cinema e televisão, fazendo trilhas. Seu maior sucesso foi "Pavão Misterioso", música baseada na literatura de cordel, incluída em 1976 na trilha da novela "Saramandaia", da TV Globo.


Ednardo tem mais de 300 músicas e letras, distribuídas em 15 Discos Originais, 15 discos de compilações, 4 Trilhas Musicais de Cinema, 2 Trilhas Musicais para Teatro, 2 Vídeos com Especiais de TV. É reconhecido pelo público e crítica especializada, como um dos mais importantes artistas da Música Popular Brasileira.

O Homem Traça diz: ROAM!



Alfa beta ação

Berro - Ednardo - 1976



01 - Berro
Ednardo
02 - Artigo 26 
Ednardo
03 - Franciscana 
Ednardo - Roberto Aurélio
04 - Passeio público 
Ednardo
05 - Longarinas 
Ednardo
06 - Abertura 
Ednardo
07 - Vaila 
Ednardo - Brandão
08 - Classificaram 
Ednardo - Brandão
09 - Padaria espiritual 
Ednardo
10 - Sonidos 
Ednardo
11 - Estaca zero 
Ednardo - Climério

*************************

Eis o segundo LP solo de Ednardo. O nome do disco era para ser "do boi só se perde o berro", com o título diminuído na capa, restou o destaque para a palavra BERRO. Efeito de simplificação por conta da ação dos censores? Longe de ser uma lenda, o fato é que as composições de Ednardo vez ou outra foram alteradas por causa desses ditatoriais "coautores". Berro é uma verdadeira (e merecida) puxada de orelha contra a hegemonia musical exercida pelo eixo Rio-São Paulo. A faixa "Artigo 26" e "Padaria espiritual" são homenagens a um movimento literário que marcou época no Ceará do final do século dezenove. Destacamos "Passeio público", faixa que nos chama a prestar atenção em berros alheios.

O Homem Traça diz: ROAM!


 

Passeio público

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Ave Sangria - 1974


01. Dois Navegantes
Almir Oliveira
02. Lá Fora
Marco Polo
03. Três Margaridas
Marco Polo
04. O Pirata
Marco Polo
05. Momento na Praça
Almir Oliveira - Marco Polo
06. Cidade Grande
Marco Polo
07. Seu Waldir
Marco Polo
08. Hei! Man
Marco Polo
09. Por Que?
Marco Polo
10. Corpo em Chamas
Marco Polo
11. Geórgia, a Carniceira
Marco Polo
12. Sob o Sol de Satã
Ivson Wanderley

Músicos
Almir – Israel Semente Proibida – Ivson Wanderley – Paulo Raphael – Juliano – Marcio Vip Augusto – Zé Rodrix – Marco Polo

*****************************

Esse é o LP de estreia do Ave Sangria, à época formado por Marco Polo (vocais), Ivson Wanderley (guitarra solo e violão), Paulo Raphael (guitarra base, sintetizador, violão, vocal), Almir de Oliveira (baixo), Israel Semente (bateria) e Agrício Noya (percussão). Nesse registro ouvimos o apoio das teclas de Zé Rodrix (Cidade Grande - sintetizador) e Márcio Vip (Momento na praça - piano; Por que? - órgão; Dois Navegantes - sintetizador).

O grupo é um verdadeiro ícone do Rock Brasileiro setentista. Esse LP foi relançado em 1990 e, com impulso que a internet deu trazendo à baila materiais guardados em gavetas obscuras do tempo, não só foi reeditado em 2014, como impulsionou "novos" títulos do grupo em vinil e CD. 

"Eles usavam batom, beijavam-se na boca em pleno palco, faziam uma música suja, com letras falando de piratas, moças mortas no cio. E eram muito esquisitos; "frangos", segundo uns, e uma ameaça às moças donzelas da cidade, conforme outros. Estes "maus elementos" faziam parte do Ave Sangria, ex-Tamarineira Village, banda que escandalizou a Recife de 1974, da mesma forma que os Rolling Stones a Londres de dez anos antes. Com efeito, ela era conhecida como os Stones do Nordeste.

"Isto era tudo parte da lenda em torno do Ave Sangria" - explica, 25 anos depois, Rafles, o ministro da informação do grupo. "O baton era mertiolate, que a gente usava para chocar. Não sei de onde surgiu esta história de beijo na boca, a única coisa diferente na turma eram os cabelos e as roupas." Rafles por volta de 68, era o "pirado" de plantão do Recife. Entre suas maluquices está a de enviar, pelo correio, um reforçado baseado, em legítimo papel Colomy, para Paul McCartney. Meses depois, ele recebeu a resposta do Beatle: uma foto autografada como agradecimento.

Foi Rafles quem propôs o nome Tamarineira Village, quando o grupo tomou uma forma definitiva, com a entrada do cantor e letrista Marco Polo. Isto aconteceu depois da I Feira Experimental de Música de Fazenda Nova. Até então, sem nome definido, Almir Oliveira, Lula Martins, Disraeli, Bira, Aparício Meu Amor (sic), Rafles, Tadeu, e Ivson Wanderley eram apenas a banda de apoio de Laílson, hoje cartunista do DP.

Marco Polo, um ex-acadêmico de Direito, foi precoce integrante da geração 65 de poetas recifenses. Com 16 anos, atreveu-se a mostrar seus poemas a Ariano Suassuna e a Cesar Leal. Foi aprovado pelos dois e lançou seu primeiro livro em 66. Em 69, iniciou-se no jornalismo, como repórter do Diário da Noite. Logo ganhou mundo. Em 70, trabalhou por algum tempo no Jornal da Tarde, em São Paulo, mas logo virou hippie, trabalhando como artesão na desbundada praça General Osório, em Ipanema. O primeiro show como Tamarineira Village foi o Fora da Paisagem, depois do festival de Fazenda Nova. Vieram mais dois outros shows, Corpo em Chamas e Concerto Marginal. A partir daí a banda amealhou um público fiel."
(Wikipédia)

O Homem Traça diz: ROAM!

 
Hey! Man

Caruá -1978 - Paulo Rafael e Zé da Flauta

Postagem original - 31/05/2013



1 - Sai uma Mista
Zé da Flauta
2 - Rebimbela da Parafuseta
Paulo Rafael
3 - Baião da Barca
Paulo Rafael - Zé da Flauta
4 - Ponto de Partida
Zé da Flauta - Paulo Rafael - Antônio Santánna, Wilson Meireles
5 - Tema da Batalha
Paulo Rafael
6 - Fora de Órbia
Paulo Rafael
7 - Entardecer
Paulo Rafael
8 - Zé Piaba
Zé da Flauta
9 - Gôta Serena
Zé da Flauta

Músicos 
Zé da Flauta - Paulo Rafael - Antônio Santánna, Wilson Meireles - Israel Semente - Sérgio Kyrillos - Lenini - Niltinho - João Lyra - Beto Saroldi - Chico Batera - Cacá - Adelson - Otonelson - Nenen Xavier - Márcio Miranda - Lula Côrtes - Guil - Luciano Pimentel - Tales

**************************

Zé da Flauta passou pelo Quinteto Violado, está na base dos melhores discos do Alceu Valença ao lado do guitarrista Paulo Rafael. Esse LP, instrumental na maior parte, é uma reunião da cena musical recifense da época. Participam do disco o Lula Côrtes (criador de Paêbirú e Satwa), Luciano Pimentel (baterista Quinteto Violado) e o Lenine (em seus primeiros registros). 

O disco é fantástido! Curiosamente, a única faixa não instrumental traz Lenine cantando "Zé Piaba", à la Jacson do Pandeiro. Além disso é muito bacana encontrar a instrumental "Sai uma mista", a primeira gravação do que viria a se chamar "Fé na Perua", cantada por Alceu em seu disco de 1981, o Cinco Sentidos.

O Homem Traça diz: ROAM!

   

Sai uma Mista

Mina do Mar - Teca Calazans - 1985



1- Mina do Mar
Marco Polo
2- Cheiro de verão
Paulo Rafael - Carlos Fernando
3- Leve o barco
João Fernando
4- Senhor piloto
Anônimo - Arranjos e adaptação: Teca Calazans
5- Amor cósmico
Oliveira de Panelas
6- Mensageira dos anjos (part. de Alceu Valença)
Alceu Valença
7- Dois navegantes
Almir de Oliveira
8- Navio fantasma
joão Fernando - Lula Cortes
9- Pedras de sal (part. de Alceu Valença)
Alceu Valença
10- Firuliu
Teca Calazans

Faixas bônus:

11- Cavalos do cão (part. de Antônio Nóbrega)
Zé Ramalho
12- Mulher nova, bonita e carinhosa faz o homem gemer sem sentir dor (part. de Antônio Nóbrgega)
Otacílio Batista - Zé Ramalho

Músicos
Jorge Degas - Jurim Moreira - Márcio Miranda - Paulo Rafael - Firmino - Alceu Valença - Teca Calazans - João Batista - Zé da Flauta 

**************

Esse é um LP produzido pelo Alceu Valença. Daí um tanto de explicação da presença de Paulo Rafael e Zé da Flauta, guitarrista e flautista de mãos cheias, componentes dos melhores registros do repertório de Alceu durante a década de 1970. Interessante também é a presença de composição da lendária banda Ave Sangria (Dois Navegantes), e da lavra poética e musical de seus componentes Marco Polo, Almir de Oliveira e do, já citado, Paulo Rafael.   

O Homem Traça diz: ROAM!


Dois Navegantes