terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Expresso 2222 - Gilberto Gil - 1972


1 - Pipoca moderna
Caetano Veloso e Sebastiano Biano
2 - Back in Bahia
Gilberto Gil
3 - O canto da ema
Ayres Viana - Alventino Cavalcante - João do Vale
4 - Chiclete com banana
Gordurinha e Almira Castilho
5 - Ele e eu
Gilberto Gil
6 - Sai do sereno 
com Gal Costa – Onildo Almeida
7 - Expresso 2222
Gilberto Gil
8 - O sonho acabou
Gilberto Gil
9 - Oriente
Gilberto Gil

Extras da versão em CD
10 - Cada macaco em seu galho
com Caetano Veloso – Riachão
11 - Vamos passear no astral
Gilberto Gil
12 - Está na cara, está na cura
Gilberto Gil

Músicos:
Voz e violão: Gilberto Gil
Guitarra e baixo: Lanny Gordin
Baixo: Bruce Henry
Piano e celesta: Antônio Perna
Bateria e percussão: Tutty Moreno

*******************************

Aqui vai um pouco da história desse magnífico disco. 

Gil começou a gravar o "Expresso 2222" em abril de 1972 - três meses depois de chegar do exílio em Londres, que durou dois anos e meio. As sessões de gravações aconteceram em São Paulo sob a coordenação de Roberto Menescal. Gravaram ao vivo no estúdio (todos os músicos tocando juntos), gastaram apenas uma semana sobre o palco com a presença de 15 pessoas na plateia do estúdio da Gravadora Eldorado. 

Lanny conta que Gil revolucionou a sua maneira de tocar violão naquele disco. Diz: "Ele criou um novo estilo. Entrei na onda dele. Mudei meu jeito de tocar. Minha música, que era jazzística, ficou mais contemporânea".

A capa desse disco traz o pequeno Pedro - filho de Gil, que morreu em 1990. Menescal, como produtor, respeitou integralmente as ideias do Gil, e o disco foi produzido quase sem nenhuma interferência. A capa de "Expresso 2222" não seguiria os padrões dos discos comuns. Para tanto, Edinizio Ribeiro Primo fez um projeto gráfico que também transformasse a embalagem do LP de Gil em obra de arte. Assim, se criou a capa redonda, com diâmetro bem maior do que o do vinil que continha. O problema é que não caberia nas caixas de transporte, nem nas prateleiras, a solução, por intervenção de Gil, foi dobrar as bordas redondas para dentro da capa, fazendo-a parecer quadrada. Esse trabalho custou tanto que deu prejuízo. Quanto mais vendesse, mais dinheiro a companhia perderia. Segundo Menescal, chegaram a torcer para vender pouco.

No ano de aniversário de 40 anos do LP, parece que volta às lojas em edição comemorativa, mas desde 1998 circula uma versão em CD com as faixas Bônus aqui apresentadas.

Abaixo seguem alguns comentários de Gil sobre cada faixa do LP.


O Homem Traça diz: ROAM! ROAM!



Expresso 2222

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Lotus - 1974 - Santana




Disco 1
Lado A
1 - Meditation
2 - Going Home
Alice Coltrane - The New Santana Band
3 - A-1 Funk 
The New Santana Band
4 - Every Step of the Way
Michael Shrieve 

Lado B
5 - Black Magic Woman
Peter Green
6 - Gypsy Queen
Gabor Szabó
7 - Oye Como Va
Tito Puente
8 - Yours Is the Light
Richard Kermode
9 - Batukada
The New Santana Band 
10 - Xibaba (She-Ba-Ba)
Airto 

Disco 2
Lado A
1 - Stone Flower (introduction)
Antônio Carlos Jobim
2 - Waiting
The Old Santana Band
3 - Castillos de Arena Part 1 (Sand Castle)
Chick Corea - Joachim Young -  The New Santana Band
4 - Free Angela
Bayete
5 - Samba de Sausalito
Jose 'Chepito' Areas

Lado B
6 - Mantra
 Tom Coster - Carlos Santana - Michael Shrieve
7 - Kyoto (Drum Solo)
 Tom Coster - Michael Shrieve
8 - Castillos de Arena Part 2 (Sand Castle)
Chick Corea - Joachim Young -  The New Santana Band
9 - Se a cabo 
Jose 'Chepito' Areas

Disco 3
Lado A
1 - Samba Pa Ti
Carlos Santana
2 - Savor 
The Old Santana Band
3 - Toussaint L'Overture
The Old Santana Band

Lado B
1 - Incident at Neshabur
Albert Gianquinto - Carlos Santana


Músicos

Carlos Santana - Leon Thomas - Tom Coster - Richard Kermode - Armando Peraza - Jose 'Chepito' Areas - Doug Rauch - Michael Shrieve


*****************************

Não vou me deter na biografia desse grande músico pois há farto material a respeito na web. Lotus é o sexto álbum do guitarrista mexicano Carlos Santana, é o seu primeiro ao vivo, gravado em 1973, em Osaka, Japão. São 22 músicas divididas em três discos, com sucessos como Oye Como Va e Black Magic Woman.

Os encartes desse álbum triplo são um show a parte, contêm imagens religiosas que se misturam ao exoterismo e à ufologia. A fantástica arte do disco fica por conta do diretor de arte da Sony japonesa, Tadanori Yokoo, o disco foi totalmente produzido naquele país e reflete uma saborosa salada musical focada na produção latino americana. Curiosamente, em Lotus, Santana reapresenta arranjos para compositores brasileiros como Airto Moreira e Tom JobimStone Flower já figurava em seu repertório desde 1972. O disco já se encontra em CD, mas não tenho certeza da ordem das faixas nesse relançamento, pois a relação fornecida na Wikipedia diverge da que possuo no meu velho LP.

O Homem Traça diz: ROAM!

   

Xibaba (She-Ba-Ba)


domingo, 9 de dezembro de 2012

Brinquedo de Tambor - Alessandra Leão - 2006



1 - Desperta! 
Alessandra Leão
2 - Não Dê Desgosto 
Biu Roque - Alessandra Leão
3 - Novelo De Lã 
Alessandra Leão
4 - Ficou Mudo, Gavião? 
Alessandra Leão
5 - Guerreia, São Jorge! 
Alessandra Leão
6 - Arruda e Sossego 
Alessandra Leão - Juliano Holanda - Mavi Pugliese
7 - Odete 
Alessandra Leão
8 - Baladeira 
Alessandra Leão e Juliano Holanda
9 - Tatuzinho 
Alessandra Leão
10 - Chorei Toada 
Fernando Cabedá
11 - Olinda 
Biu Roque
12 - Samba Duro 
Johann Brehmer - Luciana Samico

Músicos
Caçapa - Alessandra Leão - Juliano Holanda - Johann Brehmer - Bruno Vinezof - Biu Roque - Mané Roque - Cosme Antonio - Isaar - Maíra Macêdo - Moema Macêdo - Mavi Pugliese - Areia - Luciana Samico

***************************************************

"Alessandra Leão é percussionista, compositora e cantora. Iniciou sua carreira em 1997 com o grupo Comadre Florzinha e atuou ao lado de músicos como Antônio Carlos Nóbrega, Siba, Silvério Pessoa, Zé Neguinho do Coco, Kimi Djabaté (Guiné Bissau), Florencia Bernales (Argentina), entre outros. Compôs em parceria com: Caçapa, Juliano Holanda, Chico César e Kiko Dinucci.


Em 2006, Alessandra deu início ao seu trabalho autoral, com o elogiado Brinquedo de Tambor. Produzido e arranjado em parceria com o violeiro, compositor e arranjador Caçapa. O CD “Brinquedo de Tambor” entrou para a lista dos 10 melhores discos de 2006 do Prêmio Uirapuru, da revista gaúcha “O Dilúvio”; e em janeiro de 2008 teve duas músicas recomendadas no playlist do músico americano David Byrne. Em 2007, foi uma das selecionadas no Programa Rumos Itaú Cultural, na cartilha Mapeamento." (Fonte)

Faz tempo que estou ouvindo esse povo novo com produção nessa primeira década de 2000.    Tem muita gente correndo trecho pela rede e nem vemos os discos por aí. São difíceis de encontrar mesmo. 

Alessandra Leão tem na cultura tradicional a sua base, mas não se restringe, mistura e segue em frente com cocos, sambas de roda, toadas e coisas que tais, que "de tão brasileiro até parece estrangeiro" (como diriam Luli e Lucina).

Destaco a faixa Desperta!, música que me anima a acordar às 5h da manhã e pegar o trêm para trabalhar.

O Homem Traça diz: ROAM!



Desperta!

sábado, 8 de dezembro de 2012

Som Nosso - 1977 - Som nosso



Sábado
1 - Pra Swingar
Pedrinho - Pedrão
2 - Levante a Cabeça
Pedrão
3 - François
Frankie
4 - Pra Segurar 
Pedrão 
5 - Estação da Luz
Tony Osanah 
6 - Vida de Artista
Tony Osanah 

Domingo 
7 - Bem do Fim
Frankie
8 - Montanhas
Tuca
9 - Neblina
Egidio Conde
10 - Água Limpa
Pedrão - Paulinho Foguete 
11 - Rara Confluência 
Tuca - Paulinho Foguete

Músicos
Pedrinho: Bateria, Vocal
Pedrão: Baixo, Vocal
Dino: Teclados
Paulinho: Teclados
Rangel: Percussão, Vocal

*****************************

Esse disco é um daqueles que parte para o estrelato depois de tantos anos na obscuridade. Creio que os créditos pela nova audiência devem ser dados às postagens em Blog's e a reedição em CD. O Disco ganhou um novo "fôlego" no cenário musical ao ter a faixa Pra Swingar inserida na trilha sonora (pra ser exato é a música tema) de um seriado da Globo.

Curiosamente, não é o lado domingo (nome de um dos lados do disco), com o repertório progressivo que traz luz novamente para essa obra. Diferente da década de 70, quando a banda tocava a vida destacando com louvor a sua produção progressiva. Dessa vez é a concessão feita pelos músicos para gravar na CBS que vem à baila, com seu swing dançante. Pra Swingar é um som bacana no lado sábado, mas o progressivo do lado domingo me faz chacoalhar descordenadamente. Adoro sair do prumo!

O Homem Traça diz: ROAM!

   

Água Limpa

domingo, 4 de novembro de 2012

Luli - 1965


01 – Peço Licença 
Walter Levita - Costa Júnior 
02 – Povo 
Dalton - Silveira
03 – Tristeza de Amar
Geraldo Vandré - Luis Roberto
04 – Cadê Meu Barracão 
Silveira - Dalton
05 – Canto da Plantação 
Luis Carlos Sá
06 – Missão 
Sidney Miller - Paulo Thiago
07 – Baleiro 
Luis Carlos Sá
08 – Samba da Aurora 
Luis Carlos Sá
09 – Em Tempo de Vida 
Luli
10 – Iná 
Mário de Castro
11 – Esta Favela Que Eu Amo 
Zé Keti - Paulo Thiago - Sidney Miller
12 – Sol 
Luli - Luis Fernando Borges

**********************************************************

Esse é o disco de estreia da Luli. É muito diferente dos demais que fez depois, seja em parceria com a Lucina ou solo. Aqui predomina uma tendência da época, a canção de protesto. Há uma preocupação com temas sociais, refletida numa certa estetização da miséria (ao gosto classemedianoengajadinho, sob a influência do realismo socialista nacionalista proposto pelos PC's de então). De todo modo um disco curioso, com canções de Luiz Carlos Sá, Vandré, Zé Keti e Sidney Miller, trazendo Luli numa performance elisetiana-bossanovista. 

O Homem Traça diz: ROAM! ROAM!



Esta favela que eu amo 

domingo, 28 de outubro de 2012

Luiz Gonzaga Jr. - 1973



1 - Sempre Em Teu Coração
Luiz Gonzaga Jr.
2 - Minha Amada Doidivana
Luiz Gonzaga Jr.
3 - Página 13
Luiz Gonzaga Jr.
4 - Romântico Do Caribe
Luiz Gonzaga Jr.
5 - Sim, Quero Ver
Luiz Gonzaga Jr.
6 - A Felicidade Bate A Sua Porta 
Luiz Gonzaga Jr.
7 - Palavras
Luiz Gonzaga Jr.
8 - Moleque
Luiz Gonzaga Jr.
9 - Comportamento Geral 
Luiz Gonzaga Jr.
10 - Insônia
Luiz Gonzaga Jr.
11 - Depois do Trovão
Luiz Gonzaga Jr.

******************************

Infelizmente falta informação sobre quem toca e faz os arranjos desse disco, mas tenho indícios - intuitivos ou não - de que Wagner Tiso e sua trupe como Novelli e Toninho Horta passaram por aqui. Afinal estavam todos na EMI, bem perto.

O clima é pesado e delicado ao mesmo tempo, como o momento pedia, as músicas traduzem um desespero de quem vê amigos desaparecendo, gritos na surdina, desejos contidos, felicidades falsificadas e adiadas. Enfim, um registro musical da guerra suja provocada pela ditadura, guerra cujos crimes dos ditadores/torturadores não foram julgados até hoje.

Nessa página, que tenta dar alguns elementos da carreira do Gonzaguinha, podemos ler: "Em 1973, Gonzaguinha participou do programa Flávio Cavalcanti apresentando a música Comportamento Geral num dos concursos promovidos pelo programa. Os jurados ficaram apavorados com a letra que dizia "Você deve aprender a baixar a cabeça e dizer sempre muito obrigado/ São palavras que ainda te deixam dizer por se homem bem disciplinado/ Deve pois só fazer pelo bem da Nação tudo aquilo que for ordenado".

Muita polêmica, uma advertência da censura mas, em compensação, o compacto gravado pelo compositor, que estava encalhado nas prateleiras das lojas, esgotou-se em poucos dias e logo Gonzaguinha pulava do quase anonimato para as paradas de sucesso na Rádio Tamoio e era convidado para gravar um novo disco.

Como era de se prever naqueles anos de chumbo, a divulgação da música logo foi proibida em todo o território nacional e Gonzaguinha "convidado" a prestar esclarecimentos no DOPS. Seria a primeira entre muitas visitas do compositor ao orgão público. Para gravar 18 músicas, Gonzaguinha submeteu 72 à censura - 54 foram vetadas!

Apesar de toda a perseguição, Gonzaguinha nunca deixou de divulgar seu trabalho: quer seja em discos onde driblava os censores com canções alegóricas, quer seja em shows onde, além de cantar as músicas que não podiam ser tocadas nas rádios, Gonzaguinha não se continha e exprimia suas opiniões e sua preocupação com os rumos que a nação tomava."

Com a estreia de Gonzaga - de pai pra filho nos cinemas, dá mais saudade da obra, boa oportunidade pra pensar nesse choque entre gerações.

O Homem Traça diz: ROAM!



Palavras

Grupo Galpão - 1993
trilha sonora dos espetáculos 

Romeu & Julieta - A Rua da amargura


Postagem original: 20/12/2007





Romeu e Julieta
01 - Flor minha flor 

02 - Maninha 
03 - Lua branca
04 - Cinzas
05 - Flor minha flor
06 - É a ti flor do céu
07 - Ondas do Danúbio
08 - Amo-te muito 
09 - Flor, minha flor 
10 - Última estrofe 
11 - É a ti, flor do céu 
12 - Vinheta 
13 - Flor, minha flor 
14 - Flor, minha flor (instrumental)



A rua da amargura


15 - Aleluia 
G.F. Haendel (adaptação: Ernani Maletta) 
16 - Romã, romã 
Antônio José Madureira - Ronaldo C. de Brito e F. Assis de Souza Lima 
17 - Na chegada desta praça 
Folclore da região de Carmo do Rio Claro 
18 - Os sinos de Belém 
Sobre motivo de "Jingle Bells" 
19 - Adeste fidelis 
Anônino (adaptação: Ernani Maletta) 
20 - Pastorinhas de Belém 
Folclore da região de Carmo do Rio Claro 
21 - Xote dos anjos 
Folclore da região de Carmo do Rio Claro (adaptação:Fernando Muzi) 
22 - José 
Georges Mustaki (vrsão: Nara Leão) 
23 - Adeus, oh gente boa 
Folclore da região de Carmo do Rio Claro 
24 - Romã, romã 
Antônio José Madureira - Ronaldo C. de Brito e F. Assis de Souza Lima 
25 - Queremos Deus 
Domínio Público 
26 - Canto da Samaritana 
Eduardo Garrido 
27 - Pecador, agora é tempo 
Domínio Público 
28 - Panis angelicus 
César Franck (arranjo: Ernani Maletta) 
29 - Coração Santo 
Domínio Público 
30 - Canto da via sacra 
Domínio Público 
31 - O beija-flor e a borboleta 
Antônio José Madureira - Ronaldo C. de Brito e F. Assis de Souza Lima 
32 - Lua 
Mabel Veloso - Roberto Mendes (arranjo: Ernani Maletta)



Músicos/Atores 
Antônio Edson - Beto Franco - Chico Pelúcio - Eduardo Moreira - Inês Peixoto - Júlio Cesar Maciel - Rodolfo Vaz - Teuda Bara - Wanda Fernandes - Lydia del Picchia - Paulo andré - Simone Ordones - Bia Braga - Arildo de Barros


************************************************************


"Há um momento em que o texto silencia para dar lugar ao canto. A representação e o drama transmutam-se em rito e lírica a verticalizar o espectador. Ao introduzir-se na peça, a música captura a palavra do texto e a faz girar como uma broca, afilando-se para dentro da terra e para dentro do céu. Aí fixado, esse eixo gira o mundo e dispõe nossas almas em uníssono, num redemoinho que concentra a vida e a projeta no êxtase da voz para o universo os deuses e o silêncio do futuro que nos escuta. Ao instalar-se o teatro, na rua ou no palco, o Coro já convida à comunhão entre os atores e a platéia, cuidando de renová-lo, através da música, por todo o espetáculo. O bumbo, o violão, a gaita, a flauta, o sax, o acordeão e o canto imantam as falas, a luz, o figurino e o cenário até fazê-los saltar do palco e ressoar na geometria interior dos ecos de seu público. Quando a cena final se desmancha e o Coro se vai, é através desses hinos que o teatro resiste no nosso imaginário, a invocar não só as cenas vistas como aquelas em que, num lampejo, prometemo-nos viver.

O Galpão não é um grupo musical. Faz teatro e é para prolongar esse teatro que ele produz este disco: nas suas músicas repercute o espetáculo visto e que não mais se repetirá. Ao ouvi-las o espectador modula as falas, refaz o cenário, intensifica a luz marca os gestos, recompõe os figurinos. Enfim, ele se dá em papel, passa a contracenar com o mundo e a dirigir a peça da vida que lhe cumpre encenar. Eis, em tuas mãos, o último instrumento do Coro: um sino, cujas badaladas criam em torno de si o redemoinho de acordes pelos quais se procura compassar a vida afora.

Por ele, este disco, o teatro do Galpão resiste e se entrega a ti. Aproveita-o: Romeu, Julieta e Cristo estarão, sempre a te ouvir."
Cacá Brandão, no encarte do CD.


Em 1992 assisti o espetáculo "Romeu e Julieta" apresentado na praça da Sé, em São Paulo, e depois no palco do Teatro Municipal. Foi uma grande surpresa! Depois em 1994 assisti ao "A rua da amargura", mesmo sendo ateu, emocionei-me com a paixão da personagem, principalmente pelo empenho de homens e mulheres, que no palco descortinaram, através do trabalho, o seu exemplo de fé pela vida e pelo teatro.

As histórias são conhecidas e mesmo que você não tenha assistido essas montagens do Galpão poderá acompanhar a trama através das canções populares. Mas cuidado, eu sei de gente que chora desde 1993 quando ouve essas músicas. Prepare seu coração!

Pra saber do grupo: Aqui!

O Homem Traça diz: ROAM!




Flor minha flor

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Êta Nóis - V. A. - 1984


01 - Mazzaropi
Jean e Paulo Grafunkel
02 - Lira Mulata
Luli - Lucina - João gomes
03 - Amor roxo
Joésia
04 - Lua pequena
Milton Edilberto
05 - Moto contínuo
Marta Strauch - Paulo Leminski
06 - Êta nóis!
Luli - Lucina
07 - Gosto que eu gosto
Prata - Jean e Paulo Garfunkel
08 - Barcos e beijos
Joésia
09 - Dentro da núvem
Bené Fonteles
10 - Flor do campo
Milton Edilberto

Músicos
Luli - Lucina - Zé Gomes - Milton Edilberto - Jean Garfunkel - Paulo Garfunkel - Prata - Natan Marques - Cláudio Faria - Azia - Luciano Disegni - Roberto Lazzarini - Cabral - Murilo Fonseca - Erivaldo - Manuel - Sergio Chica - Klecius Albuquerque - Pier - Luis R. Perez - Marco Bosco - Décio - Jorge Melo - Joésia

Participações Especiais
Ney Matogrosso - Prata

********************************

Aqui, um disco bacana que dá ideia do diálogo que Luli e Lucina produziram entre os músicos e amigos. Essa coisa de trazer à cena gente bacana se intensificou no programa Conversinha da Rádio USP, iniciado em 1986.

Muita saudade de gente que veio e se foi, o registro de Êta nóis dá o tom.

O Homem Traça diz: ROAM!

 

Êta Nóis

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Luli e Lucina - 1978
Postado originalmente em 26/01/08



1 - Pois é
Luli e Lucina

2 -
Cheiro de Rosa

Luli e Lucina
3 -
Yorimatã okê aruê

Luli e Lucina
4 - Me rói
Luli e Lucina
5 -
Toque forte

Mário Avellar - Luli - Lucina
6 -
Coração aprisionado

Luli e Lucina
7 -
Ai, ai
Luli e Lucina
8 -
Amor será

Luli e Lucina
9 -
Numa rede

Luli e Lucina
1 0 -
Pequenininha

Luli e Lucina 1
1 -
El corazón te guiará

Mário Borges da Fonseca - Luli - Lucina
12 -
E foi

Luli e Lucina

Músicos
Luli e Lucina - Violão, percussão e vozes
Alvinho - Cavaquinho
Chico Batera, Nacho e Ciça - Percussão
Nivaldo Ornellas - Piano, voz e flauta
Fernando Leporace - Baixo
Maurício Einhorn - Gaita
Paul de Castro - Guitarra e violino
Rui Motta - Bateria e Percussão
Lena, Chipo Pupo e Lúcia Turnbull - Vocal
Harry Schroeter - violino
Luciano e Luís Paulo Simas - Piano
Alceu - CelloTúlio Mourão - Arp String
Paulinho Machado - Piano Elétrico

*************************************
Nos anos 80 grande parte do que era novo e/ou alternativo na MPB passava pela programação da Rádio USP. Nos programas especiais eu apreciava de tudo um pouco, sons alternativos de toda parte. E foi assim que ouvi a música de Luli e Lucina pela primeira vez.

Se eu fosse listar composições para uma "trilha sonora" do filme da minha vida, certamente Luli e Lucina estariam entre as primeiras faixas. O nome do filho que nunca tive viria de uma de suas canções, tenho gravadas brincadeiras musicais com minha filhinha mais velha cantando "Pequenina" e muitos registros de reflexões impostas pela vida embaladas por suas letras e melodias.

Os nomes verdadeiros das moçoilas são: Heloisa Orosco Borges da Fonseca e Lucia Helena Carvalho e Silva. A dupla Luli e Lucina foi revelada no VI FIC (1971, ano em que gravam o primeiro compacto duplo), ao classificar a música “Flor lilás”. Luli e Lucina vinham da participação no Grupo Manifesto, em 1967 emprestavam suas vozes femininas acompanhando o grupo no Festival Internacional da Canção, o que credenciou Luli para o primeiro LP solo, bossanovista ao gosto da época. Nesse Festival acompanhavam um tal de Gutemberg Guarabyra, também integrante do grupo Manifesto, na canção vencedora intitulada Margarida.

Durante os anos 70 a dupla se afirmou, transitando entre os artistas alternativos ou não que iniciavam suas carreiras. Conta-se que Ney Matogrosso fora apresentado por Luli à trupe dos Secos e Molhados, não por acaso, duas de suas canções mais conhecidas (O vira e Fala) foram gravadas no primeiro disco do grupo. Durante toda sua carreira Ney Matogrosso recorre a músicas da dupla Luli e Lucina para compor o repertório de seus discos, como Bandoleiro e De Marte, entre tantas outras.

Esse é o primeiro LP gravado pela dupla, o terceiro disco independente no Brasil. Sua música é deveras feminina, ousada, delicada e com força experimental de quem há muito está além do rótulo generalizante chamado MPB.

A dupla durou 25 anos e hoje cada uma segue seu caminho solo mantendo a qualidade musical como característica perene.

Pra saber mais: sítio da Luhli, sítio da Lucina, entrevista muito divertida com a Luhli!

O Homem Traça diz: ROAM!



Toque forte

domingo, 29 de julho de 2012

Monjolear - Dércio Marques - 1996





1 - Meninos - Sabiá Laranjeira
Juraildes da Luz - Domínio Público
2 - Duerme Negrito - Cantiga de Ninar
Domínio Público - Recolhido por Atahualpa Yupanqui
3 - Projeto Beija-flor

4a Série - Doroty Marques

4 - Os Carneirinhos
Cecília Meireles - Xangai - Hélio Contreiras
5 - Bem-te-vi - Passarinho do Amor
Domínio Público - Recolhido por Doroty Marques
6 - Fazenda maluquinha - Era uma vez
Lúcio Eustáqui Alves - josé Agostin Goytisolo - Dércio Marques
7 - Batuque dos meninos do cerrado
Criação de Marcos da Silva (Cazuza) sob o Rap do Cerrado
8 - Formiguinha 
Loni Rosa
9 - Rap do Cerrado
3a Série 1996 - Doroty Marques
10 - Rap do Adolecer
5a Série 1996 - Doroty Marques
11 - Não jogue lixo no chão
Vital Farias
12 - Congo - Tá caindo fulô 
Domínio Público - Recolhido por Doroty marques
13 - Dois Cantos de Caiapó 
Domínio Público - Caiapós recolhido em Oliveira e Ibiraci por Rossini Tavares de Lima
14 - Embola Embola 
Domínio Público - Recolhido por Doroty Marques 
15 - Ciranda

Manuelita - Grupo agreste 

16 - Ser Criança 
Darlan Marques 
17 - Os carneirinhos 
Cecília Meireles - Xangai - Hélio Contreiras 
18 - Tributo a um casarão

Lúcio Eustáqui Alves 

19 - Folia de Reis - Pena Branca 
Uberlândia - MG 
20 - Monjolear 
Pré-Escolar 1996 
21 - Meninos - Sabiá Laranjeira 
Juraildes da Luz - Domínio Público 
22 - Canticos - Recolher 
Gildes Bezerra - Dércio Marques - Arthur Andrade


Músicos
Beatriz Izar - Beatriz Ramsthaler - Daniela Lasalvia - Katia Teixeira - Dércio Marques - Zé Gomes - Isac de Souza - Ricardo Santos - Doroty marques - Marcos da Silva (Cazuza) - Anderson de Oliveira - Guru Martins - Bráulio Barral - Augusto Cesar Guimarães - Jaime Lemes - Andréa Daltron - Confraria Bazófia - Ricardo Bordini - tito baiense - Ton-ton Flores - Mônica Albuquerque

*******************************************

Cantar com as crianças, ideia simples, que sempre dá prazer.

O Homem Traça diz: ROAM!

   

Os Carneirinhos

terça-feira, 24 de julho de 2012

Fulejo - Dércio Marques - 1983



1-Namorada do Cangaço

César Teixeira
2 - Certeza Enluarada
Gildes Bezerra - Dércio Marques

3 - Fulejo
Rec. Dércio Marques
4 - Malambo
Dércio Marques - Ricardo Morel
5 - O pinhão na amarração
Elomar Figueira de Melo
6 - Cantiga da serra
Hilton Accioly
7 - Brasil caboclo
Tonico - Valter Santos
8 - Riacho de areia 
Folclore do Vale do Jequitinhonha (MG)
Recolhido e adaptado pelo Coral dos Trovadores do Vale, em nome de Maria Lira Marques
Introdução: trecho do "Tema de Lira"de Dércio Marques
9 - Serra da Boa Esperança
Lamartine Babo
10 - Você vai gostar (Casinha Branca)
Elpídio dos Santos
11 - Ranchinho brasileiro
Elpídio dos Santos
12 -  Lua sertaneja 
Gilberto Karan - Adauto Santos
13 -  Flores do vale 
João Bá - Dércio Marques
14 -  Disco voador 
Palmeira
15 - Mourão de Cerca
José Maria Giroldo

Músicos
Dércio Marques - André Bernard - Bira - Klecius - Demétrius - Zé Gomes - Doroty - Erivaldo - Xavier - Genésio - Sérgio Gonçalves - Carrasqueira - Ubiratan - Cláudio Bertrami - Parê - Osvaldinho - Celso Machado - Osvaldo Markina - Ricardo - Diana Pequeno - Ênio Squef - Jamil Maluf 

****************************************

O Homem Traça diz: ROAM!




Disco voador
Terra Vento Caminho - Dércio Marques - 1977



01. Tributo (Volta em Si) 
Claiton Negreiro  

02. Sexta-feira 
José Maria Giroldo

03. Le Tengo Rabia al Silencio 
Atahualpa Yupanqui    

04. Gloria de Sá 
Dércio Marques  

05. O Menino (El Niño) 
Atahualpa Yupanqui - Adaptado por Dércio Marques  

06. As Curvas do Rio 
Elomar Figueira Mello  

07. Malambo - dança criolla 
Ricardo Z. Morel - Dércio Marques  

08. Folia do Divino Espírito Santo 
Folclore Brasileiro  

09. Aquién nos Justifica
Antônio Machado - Dércio Marques

10. Árvore
Chico Gáudio - Dércio Marques

Músicos
Dércio Marques - Doroty Marques - Ricardo Morel - Zé Gomes - Saulo - Ricardo Zenon - Sérgio Lima Gonçalves (Mamão)

******************************************

O Homem Traça diz: ROAM!



Árvore