domingo, 28 de outubro de 2012

Luiz Gonzaga Jr. - 1973



1 - Sempre Em Teu Coração
Luiz Gonzaga Jr.
2 - Minha Amada Doidivana
Luiz Gonzaga Jr.
3 - Página 13
Luiz Gonzaga Jr.
4 - Romântico Do Caribe
Luiz Gonzaga Jr.
5 - Sim, Quero Ver
Luiz Gonzaga Jr.
6 - A Felicidade Bate A Sua Porta 
Luiz Gonzaga Jr.
7 - Palavras
Luiz Gonzaga Jr.
8 - Moleque
Luiz Gonzaga Jr.
9 - Comportamento Geral 
Luiz Gonzaga Jr.
10 - Insônia
Luiz Gonzaga Jr.
11 - Depois do Trovão
Luiz Gonzaga Jr.

******************************

Infelizmente falta informação sobre quem toca e faz os arranjos desse disco, mas tenho indícios - intuitivos ou não - de que Wagner Tiso e sua trupe como Novelli e Toninho Horta passaram por aqui. Afinal estavam todos na EMI, bem perto.

O clima é pesado e delicado ao mesmo tempo, como o momento pedia, as músicas traduzem um desespero de quem vê amigos desaparecendo, gritos na surdina, desejos contidos, felicidades falsificadas e adiadas. Enfim, um registro musical da guerra suja provocada pela ditadura, guerra cujos crimes dos ditadores/torturadores não foram julgados até hoje.

Nessa página, que tenta dar alguns elementos da carreira do Gonzaguinha, podemos ler: "Em 1973, Gonzaguinha participou do programa Flávio Cavalcanti apresentando a música Comportamento Geral num dos concursos promovidos pelo programa. Os jurados ficaram apavorados com a letra que dizia "Você deve aprender a baixar a cabeça e dizer sempre muito obrigado/ São palavras que ainda te deixam dizer por se homem bem disciplinado/ Deve pois só fazer pelo bem da Nação tudo aquilo que for ordenado".

Muita polêmica, uma advertência da censura mas, em compensação, o compacto gravado pelo compositor, que estava encalhado nas prateleiras das lojas, esgotou-se em poucos dias e logo Gonzaguinha pulava do quase anonimato para as paradas de sucesso na Rádio Tamoio e era convidado para gravar um novo disco.

Como era de se prever naqueles anos de chumbo, a divulgação da música logo foi proibida em todo o território nacional e Gonzaguinha "convidado" a prestar esclarecimentos no DOPS. Seria a primeira entre muitas visitas do compositor ao orgão público. Para gravar 18 músicas, Gonzaguinha submeteu 72 à censura - 54 foram vetadas!

Apesar de toda a perseguição, Gonzaguinha nunca deixou de divulgar seu trabalho: quer seja em discos onde driblava os censores com canções alegóricas, quer seja em shows onde, além de cantar as músicas que não podiam ser tocadas nas rádios, Gonzaguinha não se continha e exprimia suas opiniões e sua preocupação com os rumos que a nação tomava."

Com a estreia de Gonzaga - de pai pra filho nos cinemas, dá mais saudade da obra, boa oportunidade pra pensar nesse choque entre gerações.

O Homem Traça diz: ROAM!



Palavras

Grupo Galpão - 1993
trilha sonora dos espetáculos 

Romeu & Julieta - A Rua da amargura


Postagem original: 20/12/2007





Romeu e Julieta
01 - Flor minha flor 

02 - Maninha 
03 - Lua branca
04 - Cinzas
05 - Flor minha flor
06 - É a ti flor do céu
07 - Ondas do Danúbio
08 - Amo-te muito 
09 - Flor, minha flor 
10 - Última estrofe 
11 - É a ti, flor do céu 
12 - Vinheta 
13 - Flor, minha flor 
14 - Flor, minha flor (instrumental)



A rua da amargura


15 - Aleluia 
G.F. Haendel (adaptação: Ernani Maletta) 
16 - Romã, romã 
Antônio José Madureira - Ronaldo C. de Brito e F. Assis de Souza Lima 
17 - Na chegada desta praça 
Folclore da região de Carmo do Rio Claro 
18 - Os sinos de Belém 
Sobre motivo de "Jingle Bells" 
19 - Adeste fidelis 
Anônino (adaptação: Ernani Maletta) 
20 - Pastorinhas de Belém 
Folclore da região de Carmo do Rio Claro 
21 - Xote dos anjos 
Folclore da região de Carmo do Rio Claro (adaptação:Fernando Muzi) 
22 - José 
Georges Mustaki (vrsão: Nara Leão) 
23 - Adeus, oh gente boa 
Folclore da região de Carmo do Rio Claro 
24 - Romã, romã 
Antônio José Madureira - Ronaldo C. de Brito e F. Assis de Souza Lima 
25 - Queremos Deus 
Domínio Público 
26 - Canto da Samaritana 
Eduardo Garrido 
27 - Pecador, agora é tempo 
Domínio Público 
28 - Panis angelicus 
César Franck (arranjo: Ernani Maletta) 
29 - Coração Santo 
Domínio Público 
30 - Canto da via sacra 
Domínio Público 
31 - O beija-flor e a borboleta 
Antônio José Madureira - Ronaldo C. de Brito e F. Assis de Souza Lima 
32 - Lua 
Mabel Veloso - Roberto Mendes (arranjo: Ernani Maletta)



Músicos/Atores 
Antônio Edson - Beto Franco - Chico Pelúcio - Eduardo Moreira - Inês Peixoto - Júlio Cesar Maciel - Rodolfo Vaz - Teuda Bara - Wanda Fernandes - Lydia del Picchia - Paulo andré - Simone Ordones - Bia Braga - Arildo de Barros


************************************************************


"Há um momento em que o texto silencia para dar lugar ao canto. A representação e o drama transmutam-se em rito e lírica a verticalizar o espectador. Ao introduzir-se na peça, a música captura a palavra do texto e a faz girar como uma broca, afilando-se para dentro da terra e para dentro do céu. Aí fixado, esse eixo gira o mundo e dispõe nossas almas em uníssono, num redemoinho que concentra a vida e a projeta no êxtase da voz para o universo os deuses e o silêncio do futuro que nos escuta. Ao instalar-se o teatro, na rua ou no palco, o Coro já convida à comunhão entre os atores e a platéia, cuidando de renová-lo, através da música, por todo o espetáculo. O bumbo, o violão, a gaita, a flauta, o sax, o acordeão e o canto imantam as falas, a luz, o figurino e o cenário até fazê-los saltar do palco e ressoar na geometria interior dos ecos de seu público. Quando a cena final se desmancha e o Coro se vai, é através desses hinos que o teatro resiste no nosso imaginário, a invocar não só as cenas vistas como aquelas em que, num lampejo, prometemo-nos viver.

O Galpão não é um grupo musical. Faz teatro e é para prolongar esse teatro que ele produz este disco: nas suas músicas repercute o espetáculo visto e que não mais se repetirá. Ao ouvi-las o espectador modula as falas, refaz o cenário, intensifica a luz marca os gestos, recompõe os figurinos. Enfim, ele se dá em papel, passa a contracenar com o mundo e a dirigir a peça da vida que lhe cumpre encenar. Eis, em tuas mãos, o último instrumento do Coro: um sino, cujas badaladas criam em torno de si o redemoinho de acordes pelos quais se procura compassar a vida afora.

Por ele, este disco, o teatro do Galpão resiste e se entrega a ti. Aproveita-o: Romeu, Julieta e Cristo estarão, sempre a te ouvir."
Cacá Brandão, no encarte do CD.


Em 1992 assisti o espetáculo "Romeu e Julieta" apresentado na praça da Sé, em São Paulo, e depois no palco do Teatro Municipal. Foi uma grande surpresa! Depois em 1994 assisti ao "A rua da amargura", mesmo sendo ateu, emocionei-me com a paixão da personagem, principalmente pelo empenho de homens e mulheres, que no palco descortinaram, através do trabalho, o seu exemplo de fé pela vida e pelo teatro.

As histórias são conhecidas e mesmo que você não tenha assistido essas montagens do Galpão poderá acompanhar a trama através das canções populares. Mas cuidado, eu sei de gente que chora desde 1993 quando ouve essas músicas. Prepare seu coração!

Pra saber do grupo: Aqui!

O Homem Traça diz: ROAM!




Flor minha flor