quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Além das lendas brasileiras - 1977 - Terreno Baldio



1 - Caipora
Terreno Baldio
2 - Saci Pererê
Terreno Baldio
3 - Passaredo
Chico Buarque - Francis Hime
4 - Primavera
Terreno Baldio
5 - Lobisomen
Terreno Baldio
6 - Curupira
Terreno Baldio
7 - As Amazonas
Terreno Baldio
8 - Iara
Terreno Baldio
9 - Negrinho do Pastoreio
Terreno Baldio

Músicos
Terreno Baldio
Ronaldo Lazzarini - Mozart Mello - João Rodolfo Ascenção - Jô(aquim) - João Kurk (Fusa)

Participações:
Nelson Gerab - Peninha - Fábio Gasparini - Cláudio Bernardes

******************************

O primeiro disco pode mesmo parecer com o estilo do Gentle Giant. Mas nesse segundo LP, creio que o pessoal do Terreno encontrou um caminho mais autêntico, juntando a sua capacidade musical à temáticas brasileiras. Os arranjos são bem criativos e é uma grata surpresa a versão de passaredo (a gravação mais famosa do MPB4 figura na trilha da primeira gravação da série Sítio do Pica-Pau Amarelo).

O Homem Traça diz: ROAM!



Primavera

Terreno Baldio - 1976

Postagem original: 07/04/08




01 - Pássaro azul
02 - Loucuras de amor
03 - Despertar
04 - Água que corre
05- A volta
06 - Quando as coisas ganham vida
07 - Este é o lugar
08 - Grite

*************************

Grupo de rock progressivo formado em São Paulo, SP por João Carlos Kurk (flauta, vocal), Mozart de Mello (guitarra), Ronaldo Lazzarini (teclados), Ascenção (contrabaixo) e (bateria). Em 1975 lançaram um LP independente sem título, com tiragem de mil cópias; as fitas matrizes acabariam sumindo, e com o tempo surgiriam edições piratas em CD na Europa e Japão feitas a partir do vinil.

Em 1977 o grupo foi contratado pela Continental, que exigiu uma gravação inspirada no folclore brasileiro; então o grupo gravou Além das Lendas Brasileiras, com novo baterista, Ayres Braga. Em 1993 o grupo (desta vez formado por Mozart, Kurk e Lazzarini) se reuniu para, a exemplo do Recordando o Vale das Maçãs, regravar o primeiro LP para o selo Progressive Rock Worldwide com as letras em inglês porém usando a capa original!

Essa traça que vos fala assistiu ao show do Terreno em 1993, o relançamento do primeiro LP em CD. É prog pesado, no estilo do Gentle Giant, paulada na moleira!

Homem Traça diz: ROAM!



Grite


segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Na tradição - Maurício Pereira - 1995



1 - Reggae
Maurício Pereira
2 - Pinguim
Maurício Pereira
3 - Balangandans
Maurício Pereira
4 - Tudo por ti
Maurício Pereira
5 - Uma loira
Hervé Cordovil
6 - Cantando num toró (Singing in the rain)
Brown - Freed (Vrs. Maurício Pereira)
7 - Recipiente
Maurício Pereira - Skowa 
8 - Domingo feliz (Beautiful sunday)
Boone (Vrs. Rossini Pinto - R. McQueen)
9 - Quatro letras
Júnior Blaw
10 - Estrelas
Maurício Pereira
11 - Compromisso
Maurício Pereira
12 - Canção do marinheiro (Cisne Branco)
Benedito X. de Macedo - Antônio do E. Santo
13 - Pan y leche
Maurício Pereira

Músicos
Fon Jimenez - Cláudio Bone - Maurício Pereira - Gérson Surya - Eli Roisman

****************************

Nascido em São Paulo, compositor, cantor, saxofonista e produtor musical, além de ator e jornalista, integrou nos anos 80 a banda Os Mulheres Negras, que se caracterizava por sua teatralidade e experimentalismo, e que lançou 2 discos – atualmente esgotados – pela gravadora Warner: “Música e Ciência” em 88, e “Música Serve pra Isso” em 90.

Entre 92 e 94 foi cantor da banda do programa diário “Fanzine”, sempre ao vivo na TV Cultura, apresentado pelo escritor Marcelo Rubens Paiva, onde cantou, diariamente durante 2 anos, mais de 600 canções brasileiras dos mais variados gêneros e autores.

Tem quatro discos solo lançados: "Na Tradição" (1995), "Mergulhar na Surpresa" (1998), "Canções que Um Dia Você Já Assobiou – vol.1" (2003) e "Pra Marte" (2007).

“Na Tradição” é um disco autoral, feito quando Mauricio saiu dos Mulheres, com um quarteto chamado “Natra Tocatudo”. Tem a participação especial de Antônio Abujamra e André Abujamra. A partir de sua reprensagem do ano 2000, este disco ganhou uma faixa extra e um videoclipe dirigido pelo cineasta Fernando Meirelles para uma velha canção italiana dos anos 20, chamada “Chi è Piu Felice di Me” (vide site oficial).

Os arranjos das treze faixas do disco original são gratas surpresas. As intervenções com frases do trombone e sax e as letras são instigantes. As versões inusitadas para canções conhecidas, confesso, ajudaram essa Traça que vos fala a diluir preconceitos sobre estilos e repertórios. Segue a dica Pan y leche, parte de nossa lista de justas reivindicações

Quer mais: Aqui!

O Homem Traça diz: ROAM!



Pan y leche