sábado, 28 de março de 2020

Corpura - 2015 - Aláfia



01 - Salve Geral 
Eduardo Brechó
02 - Blacksmith 
Eduardo Brechó
03 - Corpura 
Eduardo Brechó - Filipe Gomes - Lucas Cirilo
04 - Adinkras 
Eduardo Brechó - Mateus Von Krueger
05 - Primeiro do Ano 
Lucas Cirilo
06 - Proteja Seu Quilombo 
Ayo Shani - Eduardo Brechó - Fabio Leandro
07 - Preto Cismado 
Eduardo Brechó - Jairo Pereira - Tássia Reis
08 - Peregrino (Okê Kala) 
Lucas Cirilo (Poema: Eduardo Brechó)
09 - Oxotokanxoxô e Uiratupa 
Jairo pereira
10 - Banho de Poeira 
Eduardo Brechó - Aira Rennó
11 - Nada É Importante 
Eduardo Brechó

Músicos:
Ályson Bruno - Eduardo Brechó - Fabio leandro - Filipe Gomes - Gabriel Cantanzo - Gil Duarte  -Jairo Pereira - Lucas Cirilo - Pipo Pegoraro - Victor Eduardo - Xênia França

Ivan de Andrade - Walmer Carvalho - daniel nogueira - Bira Júnior - Amilcar Rodrigues - Diogo Duarte - Douglas Antunes - Abdnaldo Santiago - Paulo Ifatide Ifamoroti - Vinícius Chagas - Djavan caetano - Renato pereira - Wallas Peña - joel Souza - Lu Oliveira - Tibless - Raphão Alaafin - Negravat - Tássia Reis 

*******************

Esse é o segundo disco do Grupo Aláfia, formado em 2011. O som é pautado pelas influências da matriz africana, passando pelo funk, pelo rap, pela MPB, expressa os anseios pela liberdade, a vida cotidiana com seus amores e dores. A aspiração por caminhos abertos, significado da palavra que dá nome ao grupo, está inscrita na faixa de abertura e perpassa a experimentação de cada arranjo de todas as faixas, convites contumazes para dançarmos e nos livrarmos dos "capatazes" de sempre.

 O Homem traça diz: ROAM!

   

Salve Geral

terça-feira, 24 de março de 2020

Gostoso Veneno - 1979 - Alcione


01 - Menino Sem Juízo
Paulinho Rezende - Chico Roque
02 - Faca de Ponta
Roberto Corrêa - Sylvio Son
03 - Paraíba do Norte, Maranhão
João Nogueira - Paulo César Pinheiro
04 - Amantes da Noite 
Dida - Dedé da Portela
05 - Pra Você Não Me Esquecer
Chico da Silva - Venâncio
06 - Primeira Escola
Dida, Neoci - Jorge Aragão
07 - Gostoso Veneno
Wilson Moreira - Nei Lopes
08 - Rio Antigo
Nonato Buzar - Chico Anísio
09 - Bom Jesus Dos Navegantes
Walmir Lima - Lupa
10 - Salve a Lama Negra
Gonzaguinha
11 - Dia de Graça
Candeia
12 - Quero Sim
Darcy da Mangueira - Leci Brandão

Bônus:
13 - Pinta De Sabido
Capoeira - Rubens
14 - Tem Dendê
Reginaldo Bessa - Nei Lopes


Músicos:

Dino - Nico - Menezes - Moacyr Albuquerque - Ney - Jorginho - Canegal - Pezão - Geraldo - Marçal - Doutor - Manezinho Araújo - Neném - Fróes - Tutty Moreno - Luna - Marçalzinho - Bidu - Lúcio - Zé Carlos - Paulo Roberto - Théo - Osmar Maíto - - Celso - Cícero - José Gomes

***************

Maranhense de São Luís, Alcione nasceu em 1947. Filha de músico militar, aprendeu instrumentos de sopro ainda criança e foi brincante de Bumba-meu-boi e Queimação de Palhinha, manifestações da Cultura Popular Tradicional do Maranhão. Professora primária de formação, mudou-se para o Rio de Janeiro nos anos de 1960, onde iniciou a sua carreira com os primeiros registros. Em 1973 gravou um compacto simples (as faixa bônus dessa postagem) e, em 1975, emplacou o seu primeiro LP, vendendo 100 mil cópias (disco de ouro), um grande feito para a época.

Esse é o seu quinto LP, o samba é o estilo majoritário, mas há espaço para misturas com a música nordestina, como em Paraíba do Norte, Maranhão. O repertório do disco é preenchido com brilhantes interpretações de obras compostas por mestres como Nei Lopes, Candeia e Wilson Moreira.

O Homem Traça diz: ROAM!

   

Dia de Graça

domingo, 8 de março de 2020

Ouçam-nas - 2020 - V.A.


01 - Caminhada (Minha História)
Doroty Marques - Semente - 1979
Sérgio Sá
02 - Se Você Pensa
Gal Costa - Gal Costa - 1969
Roberto Carlos-Erasmo Carlos
03 - Dia A Dia
Clara Nunes - Brasil Mestiço - 1980
Candeia-Jaime
04 - Muro das lamentações
Dona Ivone Lara - Sorriso de Criança - 1979 
Dona Ivone Lara - Delcio Carvalho
05 - Kozmic Blues
Cida Moreira - Summertime - 1981
Janis Joplin-Gabriel Mekler
06 - Beijo Partido
Nana Caymmi - Nana Caymmi - 1975
Toninho Horta
07 - Luz Del Fuego
Rita Lee & Tutti Frutti - Fruto Proibido - 1975
Rita Lee
08 - Ensacado
Cátia de França - 20 Palavras - 1979
Cátia de França
09 - Acordo de amor
Ná Ozzetti - Meu Quintal - 1988
Itamar Assumpção-Paulo Lepetit
10 - Segredo
Zélia Cristina - Outra Luz - 1990
Luiz Melodia
11 - Tripa de peixe
Luli e Lucina - Yorimatã, o amor de mulher - 1982
Luli e Lucina
12 - Para Elas
Alice Ruiz/Alzira Espíndola - Paralelas - 2006
Alice Ruiz - Alzira Espindola
13 - Pitanga
Marlui Miranda - Olho D'Água - 1979
Capinan - Marlui Miranda
14 - Funk do Tank
Kali - Kali - 1985
Renata Montanari
15 - Joana D'ark
Ava Rocha - Trança - 2018
Ava Rocha - Vitor Hugo - Gabriela Carneiro Cunha
16 - Corpo Vadio
Nau - Nau - 1987
Vange-Zique
17 - Diversões Não Eletrônicas
Vânia Bastos - Diversões Não Eletrônicas - 1997
Arrigo Barnabé
18 - Crioula
Zezé Motta - Zezé Motta - 1978 
Moraes Moreira
19 - A dama do apocalipse
Elis Regina - Elis - 1977
Crispin - Nathan Marques
20 - Maluca
Cássia Eller - Do Lado Do Avesso - 2012
Luís Capucho
21 - Triste Baía da Guanabara
Virgínia Rodrigues - Recomeço - 2008
Djavan
22 - Nós todos
Mara do Nascimento - Instrumental - 1982
Mara do Nascimento
23 - Iansã
Maria Bethânia - Drama - 1972
Caetano Veloso
24 - Mulher o suficiente
Tetê Espíndola - Canção do amor - 1995
Alzira Espínola - Vera Lúcia
25 - Passarinho
Joyce - Passarinho Urbano - 1976
Joyce - Mário Quintana
***********************

Eis aqui algumas das referências femininas nestas prateleiras, reunidas em uma coletânea do Criatura de Sebo por ocasião do 8 de Março, dia Internacional das mulheres trabalhadoras. Contra toda forma de exploração, de opressão e de violência, reforcemos o combate: ouçam-nas!

O Homem Traça diz: ROAM!

 



sábado, 7 de março de 2020

Miriam Makeba - 1960 - Miriam Makeba


01  - The Retreat Song
02 - Suliram
03  - The Click Song
04 - Umhome
05 - Olilili
06 - Lakutshn, Ilanga
07 - Mbube
08 - The Naughty Little Flea
09 - Where Does It Lead
10 - Nomeva
11 - House Of The Rising Sun
12 - Saduva
13 - One More Dance
14 - Iya Guduza

***************************

Zenzile Miriam Makeba, ou Mama África nasceu em Joanesburgo, em 4 de março de 1932. Faleceu em Castel Volturno (Itália), em 10 de novembro de 2008, quando sofreu um ataque cardíaco durante um espetáculo em favor de Roberto Saviano. Foi uma cantora sul-africana muito popular, iniciou a carreira em meados dos anos de 1950, ganhou expressão mundial no final dos anos 1960, com a canção "Pata, pata".

Dona de uma voz marcante e de um repertório voltado para a cultura do seu povo, a sua cerreira também é marcada pela luta pelos direitos humanos, contra o imperialismo e contra o apartheid na África do Sul. Dando curso à sua carreira nos EUA e na Europa, com a militância tendo tanto destaque quanto a música, teve a cidadania Sul Africana cassada e os seus discos proibidos até o fim do apartheid na África do Sul. 

Esse LP foi gravado nos EUA. Cada um dos seus registros é uma pérola de resistência contra as injustiças e q autoritarismo contra o povo que, infelizmente, vigoram no mundo ainda hoje, inclusive no Brasil, após o golpe de 2016.

O Homem Traça diz: ROAM!

 

Mbube

sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

Infinito Portátil - 2005 - Rubi

01 - Ribeirão
Celso Sim
02 - Astolábios
Kléber Albuquerque - Gero Camilo
03 - Oração do Anjo
Ceumar - Mathilda Kôvak
04 - Infiníto Meu
Gero Camilo
05 - Ai
Tata Fernandes - Kléber Albuquerque
06 - É de vera
Gero Camilo
07 - Mar interior
Maria Tereza
08 - Inventar
Luiz Gayotto - Flávio Boaventura
09 - Inequação
Tata Fernandes - Kléber Albuquerque
10 - Infinito Portátil
Kléber Albuquerque
11 - Ribeirão
Celso Sim

Músicos:
Rubi - Estevan Sinkovitz - Kléber Albuquerque - Luiz Gayotto - Tata Fernandes

******************************

Rubi é uma pedra  preciosa vermelha. As pedras naturais são raras, assim como a cantor goiano, criado em Taguatinga. Ele trocou a ideia de ser padre pela vocação artística, que interpola o teatro e a música. Em São Paulo, desde 1992, batalha por sua produção mantendo a autenticidade da pedra que lhe empresto a alcunha.

Este é o seu segundo CD, esplendorosamente  uno, sintético e lírico em sua poética.

O Homem Traça diz: ROAM


 

Astolábios