domingo, 12 de fevereiro de 2017

Premeditando o Breque - 1981

Postagem original: 07/10/2008


1 - Essa é a verdade
Mário Biafra - Wandi Doratiotto
2 - Conflito de gerações
Wandi Doratiotto
3 - Brigando na Lua
Mário Biafra
4 - Marana
Mário Biafra - Wandi Doratiotto
5 - Marcha da kombi
Wandi Doratiotto
6 - Feijoada total
Premeditando o Breque
7 - Samba absurdo
Mário Biafra
8 - A Esperança é a última que morre
Wandi Doratiotto
9 - Nunca
Marcelo Galbetti - Mário Biafra - Wandi Doratiotto
10 -Choro
Marcelo Galbetti
11 - Gosto Também Se Discute
Wandi Doratiotto
12 - Luisa
L. Robin - R. Whiting - Vrs. Igor - Vrs. Mário Biafra
13 - Fim de Semana
Wandi Doratiotto

Bônus na edição em CD
14 - Antwort
Mário Augusto Haydar e Wanderley Doratiotto

Músicos
Marcelo (Antônio Marcelo Galberti)
Igor (Igor Lintz Maués)

Wandy (Wanderley Doratiotto)
Claus (Claus Erik Petersen)
Biafra (Mário Augusto Aydar)


*************************************

"O grupo destacou-se desde o início tanto pelas letras irreverentes e bem-humoradas quanto pela qualidade musical, baseada em arranjos sofisticados, fundindo MPB, chorinho, rock e até mesmo música erudita.

Já em 1979, o samba-de-breque Brigando na Lua era premiado com o segundo lugar no 1º Festival Universitário de Música Popular Brasileira. No ano seguinte, o grupo começaria a se celebrizar em apresentações no teatro Lira Paulistana - um reduto da música independente paulista de então -, ao lado de nomes igualmente emergentes da cena musical paulista como Arrigo Barnabé, Itamar Assumpção e Grupo Rumo.

Em 1981, o grupo lançou seu primeiro disco "Premeditando o Breque", conseguindo notoriedade no meio universitário e intelectual. E logo em seguida, em 1982, a banda chegou à etapa final do festival MPB Shell, promovido pela Rede Globo. A música apresentada no Maracanãzinho lotado foi "O Destino assim o Quis" ou, simplesmente "Lencinho", como ficou conhecida. O maior sucesso do repertório, contudo, viria em 1984, no LP "Quase Lindo". Trata-se da canção São Paulo, São Paulo, uma divertida referência a New York, New York, mas adaptada à capital paulista. A música foi sucesso nas rádios, sobretudo em São Paulo, e levou o grupo a se apresentar em diversos programas de televisão. Outra música que ficou conhecida do grupo foi Lua de Mel em Cubatão, numa época em que Cubatão era considerada uma das mais poluídas cidades do mundo.

O grupo despertou o interesse de uma multinacional, a EMI, e a partir de lançou, em 1985 e 1986, dois LPs produzidos por Lulu Santos. Os discos não tiveram o mesmo sucesso dos anteriores, segundo alguns críticos, justamente pelo fato de terem na produção um carioca, a serviço de uma grande gravadora - dois fatores supostamente contraditórios com a proposta da banda.

Entre 1987 e 1991, o grupo cessou suas atividades, retomadas com o LP de 1991 "Alegria dos Homens" e, em 1996, com "Premê ao Vivo", agora em nova formação, que persiste até os dias de hoje. Em 2000, um novo show, batizado de "Brasil 500 anos", reavivou a atenção do público pelo grupo. Atualmente, o Premê continua na ativa, mas com shows esporádicos, quase sempre em São Paulo." (Fonte: Wikipédia)

A versão em CD desse LP, traz a faixa bônus Antwort, defendida por Paulinho Boca de Cantor no Festival de MPB da TV Tupi realizado em 1979. Destaco "Brigando na Lua", uma divertida canção que me faz lembrar de dois velhos amigos guacamoles, perseguirores de Miguelitos.

O Homem Traça diz: ROAM!



Brigando na Lua

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Visions of dawn - 1976 - Joyce


Postagem original: 12/02/2012


1 - Banana 
Joyce
2 - Clareana 
Mauricio Maestro - Joyce
3 - Metralhadeira
Mauricio Maestro - Joyce
4 - Nacional Kid 
Joyce
5 - Tudo Bonito 
Joyce
6 - Suite Parte 1
Memórias do Porvir
Mauricio Maestro
Suite Parte 2
Visões do Amanhecer 
Mauricio Maestro
Suite Parte 3
Carnavalzinho 
Maurico Maestro
8 - Jardim dos Deuses 
Mauricio Maestro
9 - Chegada 
Naná Vasconcelos

Músicos
Joyce - Rodolfo Stroeter - Tutty Moreno - Lula Galvão 

***************************************
Este é um disco sensacional da Joyce, acompanhada por Maurício Maestro e Naná Vasconcelos. Foi gravado em Paris em 1976 e esteve inédito no Brasil até 2010. É o tipo de patrimônio cultural que, não fosse a rede, não estaria por aqui.

O Homem Traça diz: ROAM!

   

Banana