quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Central do Brasil - 1998 - Antônio Pinto e Jaques Morelenbaum

Postagem original: 26/01/2007



1 - Central do Brasil
Antônio Pinto
2 - O trem
Antônio Pinto
3 - Toada e desafio
Capiba
4 - Sai, pirralho
Jaques Morelenbau
5 - Saída de trem
Antônio Pinto
6 - Atropelamento
Antônio Pinto
7 - Central
Antônio Pinto
8 - Insônia
Jaques Morelenbaum
9 - Toada e desafio (caminhão)
Capiba
10 - Conversa
Antônio Pinto
11 - Despedida
Antônio Pinto
12 - Toada e desafio (casa de Jesus)
Capiba
13 - Matinal
Antônio Pinto - Jaques Morelenbaum
14 - Toada e desafio (estrada)
Capiba
15 - Correio
Jaques Morelenbaum
16 - Porteira
Antônio Pinto
17 - Milagres
Autor desconhecido
18 - Toada e desafio (fotografia)
Capiba
19 - Vem comigo
Jaques Morelenbaum
20 - A carta de Dora
Antônio Pinto
21 - Preciso me encontrar
Candeia (canta Cartola)

Músicos
Jaques Morelenbaum - Cello

Antônio Pinto - Piano
Edu Morelenbaum - Piano
Marcos Suzano - Percussão
Siba - Rabeca
Luiz Brasil - Violão, Viola de 10 cordas e Bandolim

Orquestra
Violinos - Giancarlo Pareschi, João daltro de almeida, Bernardo Bessler, Michel Bessler, José Alves da Silva, Walter Hack, Ricardo amado, Paschoal Perrotta
Viola - marie Christine S. Bessler, Jesuína Passaroto
Cello - Marcio Mallard, Jorge Ranevsky
Contra-Baixo - Denner campolina
Regência, Orquestração e Arranjos - Jaques Morelenbaum e Antônio Pinto

*****************************************
Assisti esse filme em 1998 e recentemente foi reapresentado na TV, na madrugada do dia 25 de dezembro. A família empanturrada da ceia de natal, já dormindo e eu ali vendo esse filme novamente...

Sei que é um filme meloso para muitos e chocante para outros, mas não vou entrar no mérito. Aqui o que me importa é minha experiência pessoal com o filme e sua trilha sonora. Só sei que depois de ver esse filme eu sempre choro (acreditem traças uma vez ou outra também choram). Na primeira vez foram 15 minutos de choro sem controle ao lado da sala de cinema!

A esperança do garoto em encontrar o pai, a comunicação falha pelas cartas e pelo analfabetismo, fizeram-me recordar dos longos períodos longe de meu falecido pai, que na época, escrevia cartas a mim, o primogênito, delegando responsabilidades e alimentando a esperança na base do "volto já".

As músicas da trilha mantêm o espírito da coisa, esperança, desespero, humanização e desumanização, são palavras que permeiam as melodias deixando-nos nostálgicos e com saudades da inocência que pegara o trem e jamais voltou.

O Homem Traça diz: ROAM!


   


Central do Brasil

2 comentários:

Alan Livan Bandalheira disse...

Pois é irmão... Fiquei emocionado com este texto sobre o filme Central do Brasil. De verdade. Também chorei pra caralho quando vi.Como chorei com outros filmes que me jogaram na cara que família era um conceito um tanto abstrato.
Continue nos presenteando NElson.
Abração

Homem Traça disse...

Ohhh, rapaz! Que beleza de comentário!
Isso só me incentiva mais em continuar com essa séria brincadeira.

Fique a vontade nesse espaço, ele é nosso!

Abraços