sábado, 5 de junho de 2010

Antigamente Quilombos Hoje Periferia
Z'África Brasil - 2002 



01 – A Raiz (Os Mestres em Cerimônia)
02 – A Cor que Falta na Bandeira Brasileira
03 – Amilianos
04 – Antigamente Quilombos, Hoje Periferia
05 – Mano Chega Aí
06 – Sapo na Banca
07 – Hip Hop Rua
08 – M.K. nas MK
09 – Se Eu te Contar
10 – Sapo DUB
11 – Tô Ligeiro
12 – O Dom da Rima
13 – Origens (Feat. Assassins)
14 – Rima Atômica

********************************



O Z´África Brasil existe desde 1995. A região de Campo Limpo (Zona Sul paulistana) e Taboão da Serra é o berço e o habitat do grupo. Gaspar e Fernandinho Beatbox são o núcleo inicial, dois anos depois, Pitchô e Funk Buia se juntaram ao grupo.  

Em 1999, o grupo lançou, na Itália, a coletânea "Z’África Brasil - Conceitos de Rua", com a participação de vários grupos e artistas de rap italianos. DJ Tano chega depois da gravação e lançamento do “Antigamente quilombos hoje periferia”, primeiro CD  solo do Z´África. O álbum tem participações especiais de Rockin' Squat, Tairo é Assassin  e concorreu aos Prêmios Hutúz  e Revelação do Ano de 2002.

Foi lá mesmo em Campo Limpo que, nas tardes de Sábado de Hip Hop no Engenho, Teatral vi, ouvi e pirei como som dos caras. DJ Tano era oficineiro e ensinava a rapaziada a arte dos dedos ligeiros nas "bolachas pretas". 

Àquela época, o rap era a expressão crítica quase hegemônica naquela parte da periferia, o pseudo funk carioca ainda estava distante. Era bem comum encontrar garotos "rachando" na rima, construindo frases mirabolantes cheias de palavras novas e desafiadoras. Tenho a impressão de que o "funk carioca" predomina hoje e a exacerbação da sexualidade foi imposta para ofuscar a crítica social.

Embora haja uma certa condescendência sobre o uso de drogas - na minha opinião,  uma arma do sistema para a destruição da juventude, sobretuto a trabalhadora -, o som do Z'África tenta sair da atmosfera gangster que predominava na geração anterior. A fusão com outros estilos musicais de raiz afrodescendente é o que garante a força e a originalidade  do trabalho.

O Homem Traça diz: ROAM!



Mano Chega Aí

Nenhum comentário: