quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Vamos pro mundo 1974 - Novos Baianos

Postagem original: 01/03/2008





01 - Vamos pro Mundo
Galvão - Pepeu Gomes
02 - Guria
Galvão - Moraes
03 - Na Cadência do Samba
Ataulfo Alves - Paulo Gesta
04 - Tangolete
Galvão - Moraes
05 - A América Tropical
Moraes - Pepeu
06 - Chuvisco
Moraes - Pepeu
07 - Escorrega Sebosa
Moraes - Paulinho - Galvão
08 - Ô Menina
Moraes - Galvão
09 - Um Dentro do Outro
Jorginho - Pepeu
10 - Um Bilhete pra Didi
Jorginho
11 - Preta Pretinha no Carnaval ( Preta Pretinha )
Moraes - Galvão

Músicos
Baby Consuelo - Paulinho Boca de Cantor - Pepeu Gomes - Jorginho Gomes - Dadi - Charles Negrita - Baixinho - Bola

***********************************

"O grupo lançou oito trabalhos antológicos para MPB. Influenciados pela contra-cultura e pela emergente Tropicália, Luiz Dias
Galvão, Moraes Moreira, Paulinho Boca de Cantor, Baby Consuelo, tocam juntos pela primeira vez em Salvador, no espetáculo "Desembarque dos Bichos e Depois do Dilúvio", (1969). Ainda neste ano se inscrevem no V Festival de Música Popular Basileria com a canção "De Vera". Nas apresentações em palco e gravações, o grupo era acompanhado inicialmente pelo grupo Os Leifs, que depois teve seu nome mudado para A Cor do Som, do qual faziam parte o guitarrista Pepeu Gomes e seu irmão baterista, Jorginho Gomes. Pepeu Gomes se casa com a vocalista da banda, Baby Consuelo, e é incorporado definitivamente ao grupo; ao lado de Moraes Moreira colabora de maneira definitiva como arranjador musical do Novos baianos." Fonte

O Grupo se fez grande sucesso o disco "Acabou chorare" (1972), alcançando unanimidade entre público e crítica. Nessa época se funde A Cor do Som com o grupo. Com as fusões tropicalistas entre samba, bossa-nova e rock'n roll, há quem diga que os Novos Baianos ocuparam o espaço na música deixado pelos tropicalistas exilados (Gil e Caetano) e os Mutantes, que depois de 1972 perde a irreverência com a saída de Rita Lee e Arnaldo Baptista.

O disco apresentado aqui tem o desfalque de Moraes, mas a competência instrumental de Pepeu mantém o ótimo desempenho do grupo. Gravado para a Som Livre, dentro da linha de alto padrão com capa dupla, como tantos outros do Som Livre Exportação, esse disco é inovador no percurso do grupo, pois tem a presença de quatro faixas instrumentais pela primeira vez, compondo com as canções letradas por Galvão e a regravação maravilhosa de "Na cadência do samba", o repertório dessa safra.

O Homem Traça diz: ROAM!

   

Vamos pro mundo

3 comentários:

Anônimo disse...

link não ta funcionando =(

Homem Traça disse...

Demorou, mas já está certinho.

Bizu disse...

conheça o som dos Leif´s, banda de Pepeu em 70!!!

www.psicobr.com.br